Ovários Policísticos

Saúde > Mulher > Ovários Policísticos

Os ovários consistem em dois órgãos localizados um de cada lado do útero que são responsáveis por produzir hormônios sexuais femininos e proteger os óvulos que a mulher produz desde o início de sua vida. Os ovários são considerados policísticos quando desenvolvem cistos em sua superfície ou seja, micro bolsas que contêm material semi-sólido ou líquido; surgem, em geral, mais de dez cistos com tamanho que varia de 6 a 10 mm cada e, o acúmulo dessas formações pode causar um aumento médio de 3 vezes o tamanho de um ovário normal. A diferença entre a ter cistos no ovário e ter a síndrome do ovário policístico está no número e no tamanho dos cistos e é identificada rapidamente por um ginecologista.

A maioria dos casos se manifesta na adolescência e se normaliza após os 35 anos; o diagnóstico atualmente é mais preciso graças à popularização dos exames de ultra-som.

Sintomas

Os ovários policísticos acometem entre 20% e 30% das mulheres, geralmente não têm relevância fisiológica e somente cerca de 10% dos casos geram sintomas como:

Ciclos menstruais irregulares: as menstruações ocorrem espaçadas ou sequer chegam a ocorrer.

Problemas dermatológicos: acne, oleosidade excessiva e queda de cabelo em razão da produção anormal de material oleoso pelas glândulas sebáceas.

Obesidade: causada por alterações no metabolismo e que, além de ser um sintoma, pode agravar a síndrome.

Aumento de pelos: faciais e corporais.

Dificuldade para engravidar: em razão da ovulação irregular, apenas 25% das mulheres que apresentam a síndrome conseguem engravidar espontaneamente. Porém, em razão da simplicidade do tratamento que induz à ovulação, a infertilidade é facilmente revertida na maioria dos casos.

Tratamento

Por se tratar de uma doença crônica, o tratamento varia em relação ao sintoma apresentado:

Em casos de infertilidade, o tratamento ocorrer por meio de indutores da ovulação como o clomifeno, cauterização laparoscópica ou estimulação dos ovários com gonadotrofinas.

Para se normalizar o ciclo menstrual e suprir a demanda de hormônios, utiliza-se geralmente a pílula anticoncepcional.

A redução do peso é essencial para a normalização do metabolismo que evita, por sua vez, distúrbios na produção de insulina.

O déficit de produção de progesterona é contornado com comprimidos deste hormônio.

A cirurgia de remoção dos cistos é feita apenas quando a medicação não demonstra efetividade e o caso é extremo.

Riscos

  • Diabetes: em razão da disfunção na produção de insulina, pode haver aumento de incidência de problemas cardiovasculares, colesterol e diabetes.

  • Câncer de endométrio: em decorrência da inconstância da ovulação, o organismo da mulher deixa de produzir a progesterona, que é o hormônio responsável pela proteção do útero, e os o risco de câncer de endométrio aumenta.

  • Problemas psicológicos: o aumento de peso, a irregularidade menstrual e o excesso de pelo podem afetar psicologicamente a mulher.

Possíveis Causas

Não há uma causa definida para a ocorrência da síndrome dos ovários policísticos, mas é sabido que metade das mulheres com essa característica apresenta hiperinsulinismo (maior quantidade de insulina no sangue) e o restante têm algum problema na hipófise, supra-renais, hipotálamo, alterações cromossômicas e produz hormônios masculinos em grande quantidade.

Deixe uma resposta